Início > música e oralidade, sessão 4, [3] comunicações orais > A performance da música regional no triângulo mineiro

A performance da música regional no triângulo mineiro

28/01/2010

Márcio Bonesso
mestre em ciências sociais
Instituto Federal de Educação e Tecnologia do Triângulo Mineiro

resumo O objetivo da comunicação é avaliar a performance da música regional no Triângulo Mineiro. Interpretada sobre o aspecto conceitual do pensar e fazer musical (Cirino 2009) as criações e execuções das estruturas musicais e dos processos rituais dos artistas regionais, apesar de variarem bastante, tem em comum quatro aspectos: 1) se contrapor aos estilos da música sertaneja vinculada aos grandes meios de comunicação de massa, já que as cidades de Uberlândia e Uberaba (juntamente com Goiânia) são consideradas cidades que “respiram” a música sertaneja no Brasil; 2) vincular suas produções estéticas as duas “principais” manifestações populares da região: os grupos de folias de reis e os ternos de congos, moçambiques, catupês, marujos, vilões – grupos ligados as Irmandades de negros; 3) valorizar uma formação instrumental que priorize a viola caipira (folias de reis) e os tambores (congado) excluindo outros instrumentos considerados modernos; 4) incorporar nas suas criações musicais estruturas harmônicas, melódicas e rítmicas das manifestações populares regionais (células rítmicas do congado; melodias e harmonias das folias de reis) e da música caipira as variedades de afinações e de ritmos/harmonias. O trabalho visa compreender nesses quatro aspectos do pensar e fazer musical como são as configurações nas formas expressivas de executar, interpretar, compor e improvisar dos artistas: Pena Branca & Xavantinho, Orquestra de Viola do Cerrado, Trem das Gerais, Luiz Salgado e EmCantar.

trabalho completo [clique aqui]

%d bloggers like this: