Início > festa e manifestações populares, sessão 6, [3] comunicações orais > A performance do olhar: a Congada de Santa Efigênia através do olhar de Johann Emanuel Pohl

A performance do olhar: a Congada de Santa Efigênia através do olhar de Johann Emanuel Pohl

28/01/2010

Sebastião Rios
doutor em sociologia
Universidade Federal de Goiás
Talita Viana
graduanda em
Universidade Federal de Goiás

resumo O trabalho apresenta o que e como o médico, botânico e mineralogista Johann Emanuel Pohl (1782 – 1834) viu na Congada de Santa Efigênia de Niquelândia GO à luz de uma pesquisa de campo atual sobre a mesma festa. Particularmente interessantes são também os valores, sentidos e significados que não foram por ele percebidos na festa, que é composta de cerimônias assaz ricas em significados difíceis de serem desvendados, alguns inacessíveis aos não iniciados, cuja complexidade passou despercebida a muitos de seus observadores e estudiosos – viajantes, folcloristas, etnógrafos, historiadores. O sentido dos versos cantados se completa na vinculação com a música, a dança e a performance de capitães e brincadores e remetem ao contexto do ritual e dos símbolos da festa, à sua dimensão sagrada.

A Congada de Santa Ifigênia remonta ao período da exploração de ouro nos tempos coloniais. Essa festa foi vista e descrita por Pohl em 1819, durante sua estadia no antigo Arraial de Traíras, hoje município de Niquelândia. Pohl fazia parte da expedição científica que acompanhou a comitiva nupcial da Arquiduquesa Leopoldina da Áustria, que desposou Dom Pedro I, então Príncipe Herdeiro. Ele tinha o perfil da maior parte dos viajantes que aqui estiveram: “naturalistas” que buscavam, sobretudo, conhecer a geologia, a flora e a fauna, não raro deixando também relatos sobre os fenômenos sociais e culturais com os quais se depararam.

trabalho completo [clique aqui]

%d bloggers like this: