Início > artes do espetáculo, sessão 3, [3] comunicações orais > Entre pedaços de algodão e bailarinas de porcelana: a performance artística do balé clássico como performance de gênero

Entre pedaços de algodão e bailarinas de porcelana: a performance artística do balé clássico como performance de gênero

28/01/2010

Tatiana Mielczarski dos Santos
mestre em educação
Universidade Federal do Rio Grande do Sul

resumo O objetivo desta pesquisa é analisar de que modos a performance artística do balé, que compreende uma série de práticas e significados que lhe conferem sentido, converte-se em performance de gênero, ou seja, estiliza o corpo, repercute na aparência e no comportamento de quem dança, produzindo e reproduzindo maneiras específicas de se viver a masculinidade e a feminilidade. O material empírico foi constituído a partir de entrevistas realizadas com dois grupos de crianças que participam de aulas desse estilo de dança em Porto Alegre. Para a realização da análise, foram utilizados como referenciais teóricos o conceito de performance de Richard Schechner, entre outras contribuições dos Estudos da Performance, bem como alguns referenciais dos Estudos de Gênero e de autores que tratam da história, cultura e pedagogia do balé clássico. As análises foram organizadas em quatro eixos que dizem respeito: 1) à performance do balé; 2) à infância performatizada; 3) às performances do feminino na dança clássica; 4) às discussões deflagradas por meio da observação de imagens relativas ao universo da dança e ao universo infantil estereotipado. A partir dos relatos das crianças, verificou-se que dançar balé (pode) significa(r) dar-se a ver bela e feminina, e que o aprendizado da dança se caracteriza como aprendizado de ser menina. Dessa forma, a rigidez na delimitação de um modo de se viver a masculinidade e a feminilidade pode tanto afastar os meninos da dança, quanto aproximar as meninas ao balé. 

trabalho completo [clique aqui]

%d bloggers like this: