Início > artes do espetáculo, sessão 5, [3] comunicações orais > Pode o tempo ter lugar no corpo do performer?

Pode o tempo ter lugar no corpo do performer?

28/01/2010

Gilberto Icle
doutor em educação
Universidade Federal do Rio Grande do Sul

resumo Este trabalho procura evidenciar, por intermédio dos Estudos da Presença, como o tempo se materializa, se corporifica, no trabalho do performer. Para tanto, descreve-se o trabalho de criação do grupo gaúcho Usina do Trabalho do Ator em suas produções de teatro de rua. São discutidas três dimensões distintas e solidárias de tempo: 1) um illud tempus, tempo originário das narrativas populares, donde provém imagens e figuras para a criação; 2) um tempo poiético, no qual o trabalho meticuloso faz uma articulação entre tempo e espaço, corporificando a experiência do performer de maneira coletiva; e, 3) um tempo corporificado, dimensão na qual tempo e espaço se confundem, tranbordando a ideia de tempo como mera duração. Assim, torna-se visível a experiência da presença, como dimensão e efeito do trabalho artesanal de contornar, burlar os significados, circunscrevendo no corpo do performer e do público um tempo-presença. O trabalho toma como aporte teorizações diversas dentre as quais Foucault, Gumbrecht, Schechner e Pradier.

trabalho completo [clique aqui]

%d bloggers like this: