Archive

Archive for the ‘sessão 5’ Category

White Metal, o Heavy Metal “do bem”. Um estudo sobre as adaptações estéticas e performáticas do metal cristão

28/01/2010 Comentários desativados

Patrícia Barbosa Villar
mestranda em antropologia social
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social | Universidade Federal do Paraná

resumo O Heavy Metal surgiu nos anos 70 inserido em um contexto subversivo. Suas letras abordavam (e abordam) temas como a violência, a revolta, a não-religião e alguns anos depois, se transformou num marco para a expressão do satanismo. Polêmico no meio musical, o próprio Rock`nRoll – sempre tido como “a música do diabo”- e o satanismo, foram levados a sério por muitos artistas que estenderam a ideologia anticristã para além das composições. Os shows se tornam lócus para a experiência do grupo e neles as performances do artista e do público se tornam encenações de possíveis crenças num contexto de contestação e rebeldia, onde adeptos escutam a música e constroem coletivamente uma “dança” sincronizada – com expressões faciais de ira, guitarras imaginárias, cabelos sendo jogados para frente e para trás, o sinal do “chifre do demônio” nas mãos e acessórios com símbolos místicos.

O White metal mostra-se como uma adaptação do Metal; uma das ramificações do estilo. Sua estética parece ter surgido com a proposta de inserir novo “conteúdo” às formas musicais e performáticas dos “pagãos”, adaptando temas e letras voltadas ao cristianismo. A “música do diabo” entre os cristãos tem sido, então, um poderoso veículo de uma atuação que ainda não está esclarecida. O projeto de pesquisa visa descrever e etnografar essas ressignificações, reinvenções e adaptações, do ponto de vista performático, dos headbangers cristãos. São gestos proibidos e readaptados, símbolos não utilizados, roupas não vestidas e traços da cultura do Metal que foram deixados de lado, moldados para o meio religioso.

 trabalho completo [clique aqui]

Corpos em linhas de fuga: êxtase juvenil nas Verduradas em São Paulo

28/01/2010 Comentários desativados

João Batista de Menezes Bittencourt
doutorando em ciências sociais
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas | Universidade de Campinas

resumo A Verdurada é um evento organizado por pessoas envolvidas com a cena punk/hardcore de São Paulo, e seu principal objetivo é divulgar o estilo de vida straightedge e o vegetarianismo, por intermédio de uma linguagem que muitos jovens conhecem bem: “a música barulhenta”. Quem já foi a um show de música hardcore/punk, já deve ter percebido que a maneira como as pessoas experimentam a música é bastante diferente daquela que ocorre em espetáculos de gêneros musicais mais populares. Estar junto é condição sine qua non para aqueles e aquelas que se entregam ao ritmo frenético de guitarras distorcidas e vocais na maioria das vezes ininteligíveis. A sensibilidade performativa é uma das chaves que considero extremamente importante para a compreensão do microcosmo das chamadas culturas juvenis. Mais do que qualquer outro elemento, a performance, no que diz respeito aos gestos ritualizados com as mais diversas finalidades, torna-se hoje uma referência nos estudos sobre juventude. O levante dessa sensibilidade performativa e desenraizada colocou o cotidiano no centro das discussões, jogando no limbo do esquecimento as grandes narrativas e o sujeito do conhecimento. Dessa maneira, corpo e as suas expressividades passaram a ter um papel de destaque enquanto instâncias produtoras de sentido.

 trabalho completo [clique aqui]

Samba e choro em Brasília: os músicos, as notas e a cena musical na capital federal

28/01/2010 Comentários desativados

João Carlos de Souza Peçanha
graduando em sociologia
Universidade de Brasília

resumo Analisa os contextos sociais da prática dos gêneros musicais denominados “choro” e “samba” em Brasília/DF. Para isso, buscou-se entender, primordialmente, as diversas relações que envolvem os músicos, público e profissionais ligados a esses gêneros, Destaca o surgimento de uma identidade brasiliense no tocar choro – o “Choro Progressivo” – que influencia outros gêneros praticados na cidade. Após exposição de idéias presentes na literatura sobre samba e choro – e de recentes trabalhos sobre os gêneros em Brasília -, são discutidos temas como a tensão entre a prática profissional e a artesanal da música, os conceitos de síncope rítmica e melódica, a importância da roda para a vivência dos gêneros de matriz africana e também como principal ferramenta de transmissão de conhecimento prático, no exercício da oralidade. Apoiando-se na experiência gerada pela prática do campo, da observação participante – como professor, aluno e músico –, busca fazer novas considerações sobre o fenômeno musical em questão. A atuação do Clube do Choro de Brasília como dinamizador cultural, a relação entre a cena musical brasiliense e a carioca. Através de conceitos como identidade e performance, visa explicar a motivação dos jovens que estão a frente desse movimento.

trabalho completo [clique aqui]

Bossa Nova entre as primeiras apresentações no Brasil e o espetáculo do Carnegie Hall (1958 – 1962). Performance e redimensionamento cultural

28/01/2010 Comentários desativados

Vicente Saul Moreira dos Santos
doutorando em história social
Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais | CPDOC-Fundação Getúlio Vargas

resumo O marco inaugural da Bossa Nova foi o disco de João Gilberto lançado em 1958. Em torno desse movimento musical se reuniram músicos e intérpretes de várias regiões do Brasil, tendo a cidade do Rio de Janeiro como um dos principais pontos de encontro e palco de projeção desse meio musical. O interesse e a repercussão reuniram público desde as primeiras apresentações na Zona Sul carioca e em São Paulo até o show promovido no Carnegie Hall em Nova Iorque, em 1962. Esta apresentação foi um importante marco de divulgação do gênero, ao projetar internacionalmente a música brasileira e marcar a carreira de vários artistas que nos anos seguintes construíram trajetória artística no exterior.

trabalho completo [clique aqui]

Os aspectos performativos da música como meios de criação de identidade no Rio de Janeiro

28/01/2010 Comentários desativados

Adriana Conceição Ribeiro-Mayer
doutora em ciências das mídias
Departamento de Ciências das Mídias [área de teatro e performance] | Universidade de Viena

 resumo Este trabalho, que foi uma tese de dissertação defendida na Universidade de Viena e consistiu em uma análise dos Aspectos Peformativos como Meios de Criação de Identidade de duas performances tipicamente carioca: o Desfile das Escolas de Samba do Grupo Especial e o Baile Funk. Para esta análise foram utilizados, principalmente, os conceitos de Performance dos teoristas Richard Schechner ,Victor Turner e Erika Fischer-Lichte. Aliado a esses conceitos, buscou-se contextualizar a história da cidade do Rio de Janeiro, junto com um enfoque da influência da cultura africana e sua herança, através do Samba, chegando ao Movimento Funk Carioca. Para isto, desenvolvi uma linha musical: lundu+maxixe+samba+funk carioca. Todos estes estilos musicais possuem o movimento dos quadris africano que permaneceu na memória coletiva brasileira através da figura emblemática da mulata, o qual foi constatado em vários exemplos musicais dos estilos descritos acima. Outro ponto importante do meu trabalho foi à análise dos aspectos performativos destas duas performances, através de um trabalho de pesquisa de campo participando das mesmas, utilizando um método de pesquisa da Observação Participativa, combinado com o método de entrevistas Ero-Epic-Conversação do professor austríaco Roland Girtler, levando em conta os aspectos sociais e econômicos de cada Performance e seu significado para a elaboração de uma identidade comum para a sociedade carioca para a identidade comum e individual dos cariocas.

trabalho completo [clique aqui]