Arquivo

Posts Tagged ‘memória’

Artes do corpo, artes da vida, artes da memória: o treinamento cênico na Cia de Theatro Fase 3

28/01/2010 Comentários desativados

Jéssica Hiroko de Oliveira

resumo Nas práticas da Cia de Theatro Fase 3, companhia cujo elenco é formado, em sua maioria, por mulheres com mais de sessenta anos, o corpo não só é suporte para técnicas, ensaios e exercícios de treinamento cênico, mas também, extrapolando a dimensão técnica da interpretação, pode ser entendido como o elo que permite a construção de uma nova linguagem, na medida em que evidencia aspectos subjetivos e das experiências individuais que cada atriz traz e que se fundem na linguagem teatral.
Presentes na memória, estes elementos se mostraram essenciais para as relações tecidas entre cada uma e em relação à cia como um todo: é a partir da experiência em relação ao corpo e à vida que nascem as peças, o desejo de estar no grupo, de produzir espetáculos que demonstrem a beleza no quotidiano e no envelhecimento – etapa da vida comumente atrelada à decadência e feiúra –, e sobretudo, de quebrar a barreira entre o privado – comumente destinado às mulheres e idosos – e o público.
A reconstrução do corpo através do teatro passa a ser uma postura crítica de suas próprias vivências, ultrapassando o caráter individual e compondo uma linguagem teatral ímpar.
Este trabalho deriva da observação participante na oficina realizada pela Cia de Theatro Fase 3, para a montagem do espetáculo Nos Quintais de Quintana, onde se pôde acompanhar, além do processo de criação da peça, pelo diretor, o processo de treinamento cênico das atrizes – dentre as quais, imersa experimentalmente, a pesquisadora.

trabalho completo [indisponível]

Anúncios

Folia e fé: performance e identidade nas festas de Santos Reis em João Pinheiro (MG)

28/01/2010 Comentários desativados

Maria Célia da Silva Gonçalves
doutoranda em sociologia
TRANSE | Universidade de Brasília

resumo Esse trabalho objetiva investigar como a Teatralidade e a Performance Ritual da Folia de Reis escrevem as memórias ligadas à religiosidade dos foliões do município de João Pinheiro-MG. Participar das Folias de Reis implica sair do cotidiano e viver o contexto da partilha, do encontro, por meio do ritual da festa. A performance dos foliões apresenta uma linguagem que faz surgir as mais diversas leituras e interpretações. A festa é um lugar de memória coletiva, em que a identidade de cada um se constrói/reconstrói intermediada pela arte popular. O corpo do folião é lúdico e também um corpo ritual, sacralizado, que sabe o valor da religiosidade repassada de geração a geração por meio da oralidade. A cada apresentação, esses conhecimentos são reinterpretados, (re)siginificados e, assim, preservam a memória coletiva e a tradição deste povo. O emprego das técnicas etnográficas se justifica por acreditar que o pesquisador deve mergulhar no universo pesquisado, buscando muito além do ver, ele deve vivenciar as práticas culturais de seus narradores.

 trabalho completo [clique aqui]

Pé de valsa: danças antigas de salão que contam histórias

28/01/2010 Comentários desativados

Valéria Maria Chaves de Figueiredo
doutora em educação
Universidade Federal de Goiás

resumo O presente trabalho teve como objetivo trazer a dança como arte da memória e expressa em corpos que dançam. Pesquisamos danças antigas e populares de Goiás, expressões quase que esquecidas e presentes apenas na memória de antigos moradores da região de Santa Cruz em Goiás. Foi na perspectiva da história oral que a inter-relação com a comunidade manifestou-se como condição fundamental para se apreender os modos, as histórias, os movimentos, as dramaturgias que marcaram estes cotidianos e sua arte. Estas danças resistiram como fragmentos na memória de antigos moradores, sem registros oficiais continuam, de certo modo, vivas na tradição da oralidade, particularmente nas memórias do corpo. Aprendidas em festas rurais, são danças de salão, da cultura caipira e eram realizadas nas fazendas da região. Entre mutirões e pagodes tinham o intuito de agregar, coletivizar experiências, ancorando-se nas trocas e nas relações afetivas, sociais e culturais. Ao longo dos anos foram proibidas e/ou desprezadas pela modernidade capitalista. Nossa intenção foi olhar para o corpo como um texto múltiplo e constituído de história, memória e arte. São poesias inscritas no cotidiano e na dança onde a presença de uma multiplicidade de diálogos se constitui como campo de conhecimento polissêmico, aberto, de muitas sensibilidades e humanidades. Nosso referencial teórico dialogou com diversos autores, entre eles Mario de Andrade, Regina Lacerda, Walter Benjamin, entre outros.

 trabalho completo [clique aqui]